sábado, 16 de fevereiro de 2013

Por que as mulheres estão mais próximas da iluminação



Os obstáculos para a iluminação são os mesmos para homens e mulheres?

São, mas com uma ênfase diferente. De uma maneira geral, é mais fácil para uma mulher sentir e estar em seu corpo, e, portanto, ela é naturalmente mais próxima do Ser e potencialmente mais próxima da iluminação do que o homem. Essa é a razão pela qual muitas culturas antigas instintivamente escolhiam figuras ou analogias femininas para representar ou descrever a realidade transcendental e sem forma. Eram vistas como o ventre que dá à luz a todas as coisas, as sustenta e as alimenta durante a vida como forma. No Tao Te Ching, um dos livros mais antigos e profundos escrito em todos os tempos, o Tao, que pode ser traduzido como o Ser, é descrito como “infinito, eternamente presente, a mãe do universo”. Naturalmente, as mulheres estão mais próximas dele do que os homens porque elas “corporificam” o Não Manifesto. Além disso, todas as criaturas e todas as coisas, no final, voltam à Fonte. “Todas as coisas se desfazem no Tao. Só ele permanece”. Como a fonte é vista como feminina, ela é representada na psicologia e na mitologia como os lados claro e escuro do arquétipo feminino. A Deusa ou Mãe Divina tem dois aspectos: dá e tira a vida.

Quando a mente tomou o poder e os seres humanos perderam contato com a realidade da essência divina, eles começaram a pensar sobre Deus como uma figura masculina. A sociedade passou a ser dominada pelos homens, e as mulheres foram subordinadas a eles.

Não estou sugerindo um retorno às primeiras representações femininas da divindade. Muitas pessoas empregam atualmente a palavra Deusa em vez de Deus. Estão dando uma nova roupagem ao equilíbrio entre homem e mulher, perdido há muito tempo, e isso é bom. Porém, ainda é uma representação e um conceito, talvez com alguma utilidade temporária, assim como um mapa ou um sinal é útil por um tempo, embora funcione mais como um impedimento do que como uma ajuda, quando alguém está pronto para perceber a realidade existente além de todos os conceitos e imagens. O que permanece mesmo verdade, entretanto, é que a freqüência de energia da mente parece ser essencialmente masculina. A mente resiste, briga pelo controle, usa, manipula, agride, tenta se apoderar e possuir, etc. Essa é a razão pela qual o Deus tradicional é uma figura patriarcal, uma autoridade controladora, um homem sempre furioso, que devemos temer, como sugere o Velho Testamento. Esse Deus é uma projeção da mente humana.

Para irmos além da mente e nos religarmos à profunda realidade do Ser, são necessárias qualidades muito diferentes: entrega, não julgamento, uma abertura que permita a vida existir em vez de resistir, a capacidade de sustentar todas as coisas no amoroso abraço do saber. Todas essas qualidades têm muito mais a ver com o princípio feminino. Onde a energia da mente é pesada e rígida, a energia do Ser é leve e macia, mas ainda assim é muito mais poderosa do que a mente. A mente governa a nossa civilização, enquanto o Ser é o encarregado de todas as formas de vida em nosso planeta e além dele. O Ser é a própria Inteligência cuja manifestação visível é o universo físico. Embora as mulheres estejam potencialmente mais próximas dele, os homens também conseguem ter acesso a ele, dentro de si mesmos.

Neste momento, a imensa maioria dos homens e das mulheres ainda está sob o domínio da mente. É ela que impede a iluminação e o florescimento do amor. Como regra geral, o maior obstáculo para os homens tende a ser a mente pensante, enquanto o maior obstáculo para as mulheres é o sofrimento, embora em casos isolados o oposto possa ser verdade, e em outros os dois fatores possam ter o mesmo peso.
Postar um comentário